29 de fevereiro!

Hoje é um dia especial! Não por ser o primeiro dia da vida do Leonardo DiCaprio depois de ganhar um Oscar, mas por ser um dia a mais em um ano bissexto.

Mas tudo mundo aí tá manjando legal o que é um ano bissexto?

CLARO! A Terra demora 365 dias e 6 horas (365,25 em números decimais, que vão facilitar nossa vida daqui a pouco) para dar uma volta completa ao redor do Sol, isso faz com que tenhamos um “troco” de ano que ignoramos solenemente até o 4º ano (6h x 4 = 24h = 1 dia. ou em decimais: 0.25 x 4 = 1 dia) e aí colocamos esse dia de volta e todo mundo fica bem, certo? SIM!!! certíssimo, só que não.

Essa é a parte simples da explicação, mas tem uma parte BEM mais legal (uns vão chamar de chata, mas eu acho legal e o blog é meu, então dá licença).

 

Vamos lá:

Na verdade o período de rotação da Terra ao redor do Sol não é exatamente 365,25 dias é exatamente 365,2421891 (duração do ano Tropical, uma das formas de calcular o período orbital da Terra)

E é aí que começam os “pulos” de vai e vem do ano bissexto (em inglês é Leap Year, algo como “ano que pula” – um nome bem adequado, eu diria).

Para corrigir o “grosso” da coisa, 1 dia a cada 4 anos resolve o problema. Mas mesmo assim tem uma sobra. Um dia a cada 4 anos é colocar MAIS do que realmente precisaria, então os anos que marcam os séculos (a cada 100 anos) NÃO são bissextos (dá pra dizer que os anos que são divisíveis por 100 não são bissextos, como 1700, 1800, 1900 – nenhum desses anos foi bissexto, mesmo caindo 4 anos depois de um ano bissexto).

Mas tem mais! Agora essa correção do século deixou “faltando” um troco, então há mais uma regrinha: a cada 400 anos, o ano que marca o século É bissexto! Por isso o ano 2000 foi bissexto (e não apenas porque era divisível por 4).

O que não dá pra entender é que a regra oficial para por aí, mas ainda há um “troco” que poderia ser BEM corrigido se tivesse mais uma iteração: a cada 3200 anos retirarmos o ano bissexto. Aí sim teríamos uma conta perfeitinha (mas a galera ainda tem tempo até chegarmos ao ano 3200, e mesmo se perderem o bonde, o ano de 6400 vai demorar um tantinho a mais). segundo Phil Plait

 

Bom, resumindo (e simplificando):

Ano divisível por 4 = Ano bissexto (ex.: …, 1980, 1984, 1988, 1992, 1996, 2004, 2008, 2012, 2016, 2020, …)

Ano divisível por 4 e por 100 = Não bissexto (ex.: …, 1700, 1800, 1900, 2100, 2200, …)

Ano divisível por 4, por 100 e por 400 = Ano bissexto (ex.: …, 1600, 2000, 2400, …)

 

O que eu acho mais legal nisso, é que nós vivemos momentos únicos e especiais e às vezes nem nos damos conta. Um ano como o ano 2000 (ano que marca século mas é bissexto) só vai acontecer novamente no ano 2400, acho que ninguém que está lendo isso vai ter paciência para esperar até lá.

 

Nesse vídeo, Neil deGrasse Tyson explica direitinho (porém em inglês) foi minha principal fonte de pesquisa para esse post.

 

Matt Parker (aviso: Matt é matemático, então estejam cientes que vai doer… mas é engraçado – também em inglês)

ela e as estrelas

é oficial: estou apaixonado.
e como qualquer ser apaixonado, fico bobo
só que eu já sou bobo, então, me aguentem!

hoje ela disse que gosta de estrelas
vi estrelas brilhando em seus olhos
vi, no meio da madrugada, um céu lindo
sem Lua, só as estrelas, de presente pra ela
e ela, cada vez mais presente

estrelas_renata

vi até um meteoro, cortando o céu pertinho de Órion
nada como paixão, estrelas e estrela-cadente
para tentar fazer jus ao brilho dos olhos dela
hoje ela me disse que gosta de estrelas

hoje eu vi nela meu céu estrelado

meteoro
o meteoro, tímido e apressado não quis deixar seu rastro evidente na foto, mas no céu foi lindo e brilhante, e me deixou feito bobo (apaixonado) com um sorriso na boca e uma lágrima nos olhos.

 

 

Asteróide 2012DA14

Para quem se empolgou com o vídeo do meteoro que caiu na Rússia essa madrugada e quer ver ao vivo a passagem “de raspão” do asteróide 2012DA14, aqui vão algumas alternativas de strem ao vivo do evento. Lembrando que se você estiver esperando um espetáculo como o visto essa madrugada na Rússia, vai com certeza se decepcionar. O 2012DA14 vai ser muito mais um pontinho cruzando uma tela salpicada de estrelas do que qualquer outra coisa. Mesmo assim vale MUITO a pena ver (se você é fanático por astronomia como eu).

Se você caiu de pára-quedas no mundo, uma breve introdução: o Asteróide 2012DA14 foi descoberto em fevereiro do ano passado, tem aproximadamente 50m de diâmetro (meio campo de futebol) e vai passar perto, MUITO perto da Terra, mas sem chances de se chocar ou de entrar na nossa atmosfera. Na verdade após a passagem, a gravidade da Terra vai mudar a trajetória do obejeto, provavelmente mandando-o para uma órbita que nos deixará ainda mais tranquilos. Esse objeto tem, provavelmente o mesmo tamanho e composição rochosa que o bólido que queimou na atmosfera em 1908 sobre a região de Tungaska queimando uma enorme área de floresta (que bom que esse NÃO vai nos atingir!).

O quão perto da Terra esse pedregulho vai passar? MUITO perto! A aproximadamente 27 mil km de nós. Para se ter uma idéia, os satélites com órbita geoestacionária ficam a cerca de 45 mil km e a nossa Lua a 400 mil km. Portanto, vai pegar de raspão mesmo!

E agora vamos ao que interessa: como eu faço se eu quiser VER esse negócio?

Bom, o encontro propriamente dito vai ser às 17h25 (horário de Brasília) e poderá ser visto em alguns sites (infelizmente não consegui nenhum em português, se alguém souber, por favor me diga que eu incluo na lista):

O melhor lugar para acompanhar, na minha humilde opinião, vai ser no Hangout que o Phil Plait fará ao vivo, na hora do evento. Se você entende inglês, vai nesse que é garantia de informação precisa, bom humor e ele vai procurando na hora os feeds que estão funcionando melhor.

• A NASA vai transmitir pelo Ustream e pela Nasa TV começando meia hora antes do evento (16h55).
• A NASA também vai trasmitir ao vivo por aqui, a partir das 21h
• O Clay Center, em Massachussets vai transmitir por esse link, também a partir das 21h
• O “Virtual Telescope Project” estará transmitindo a partir das 20h
• O observatório Baraket, em Israel fará um feed começando às 18h15
• A “Planetary Society” vai fazer um webcast ao vivo (incluindo telescópios) durante o evento
• O observatório inglês de Bayfordbury vai twittar imagens na medida em que forem “saindo do forno”

Fonte: Bad Astronomy

Bola de fogo avistada nos céus da Rússia

Um GRANDE (como bem apontou Luciano Marani, apesar de impressionantes os vídeos, o objeto em si é possivelmente pequeno) meteoro foi avistado agora há pouco na Rússia. Já avisando que não, esse não tem NADA a ver com o 2012DA14, que passará a 27 mil km da Terra daqui a algumas horas.

Veja alguns vídeos, depois eu volto para algumas explicações:


Esse eu achei o mais legal. Dá pra ver a bola de fogo perfeitamente 
Update: Sacanagem, o cara tirou o vídeo do ar

Nesse é possível ver o rastro do meteoro… e aos 30″ vem o barulho da onda de choque. É BEM impressionante. (pra não dizer assustador)

Mais um onde é possível ver em detalhes o rastro deixado pelo meteoro

Esse também é lindo… parece bastante com o primeiro.

Mais um onde é possível sentir a força da onda de choque desse objeto.

Agora alguns esclarecimentos:

Se alguém aí ainda ficou com a pulga atrás da orelha achando que é o 2012DA14, volto a dizer que esse é um objeto COMPLETAMENTE diferente. Como posso saber disso? Vamos lá:

• esse objeto entrou na atmosfera 12 horas antes da passagem prevista para o 2012DA14. Parece quase ao mesmo tempo, mas para um objeto que viaja a 8km/seg. essa diferença de tempo implica em uma distância ENORME (pouco mais de 345 mil km). Isso quer dizer que, no exato momento que esse objeto entrou na nossa atmosfera o 2012DA14 havia acabado de passar pela Lua.

• pelos cálculos dos astrônomos que viram essa bola de fogo, a órbita não bate. O 2012DA14 viajaria de sul para o norte, esse objeto aparentemente fez a entrada de leste para oeste. (cálculos preliminares do Bad Astronomer Phil Plait).

• muita coincidência 2 meteoros no mesmo dia? e se eu disser que a Terra recebe, TODOS OS DIAS entre 50 e 100 ton. (isso, TONELADAS) de material vindo do espaço? E pq não vemos bolas de fogo como essas todos os dias? 1-pq nas cidades não temos céu escuro o suficiente, mas se sairmos da poluição de luz dos grandes centros urbanos e olharmos pro céu, vamos ver uma quantidade enorme de “estrelas cadentes” e aí estão nossos meteoros. 2- mesmo vendo muitas estrelas cadentes, temos que lembrar que a maior parte da superfície do nosso planeta é constituída de água, e mesmo o continente possui vastas áreas não-habitadas então, estatisticamente, a maioria dos meteoros vai cair em locais em que não tenha ninguém para ver.

Assim que tiver mais informações sobre esse evento, vou atualizando o post.

UPDATE 1: Rumores de que há feridos devido a vidros quebrados pela onda de choque.

UPDATE 2: Segundo a Folha, o evento deixou ao menos 400 feridos

UPDATE 3: Carlos Orsi escreveu um belo artigo sobre esse meteoro específico com muita informação sobre corpos celestes que cruzam o caminho da Terra em geral. Vale a pena ler o artigo e seguir o blog do Carlos, que é fantástico.

UPDATE 4: Follow up do Phil Plait sobre o assunto.

UPDATE 5: Para encerrar o assunto (por hora) esse ótimo post do Phil Plait sobre todos esses meteoros e asteróides que aparentemente descobriram agora a órbita da Terra. E uma frase que vale a (livre) tradução: “Os dinossauros morreram por não ter um programa espacial. Nós temos um, só precisamos ser espertos o suficiente para custeá-lo e usá-lo”.